06/02/2019 08h09

Em MS, 355 consumidores já pediram para parcelar contas altas de energia

Medida foi proposta pela Energisa em resposta às reclamações sobre altos valores de conta

Desde 20 de janeiro de 2019 até esta terça-feira (dia 5), 355 consumidores pediram para parcelar as contas de energia em Mato Grosso do Sul. Em virtude das inúmeras reclamações, a Energisa, concessionária de energia elétrica, propôs o parcelamento em até quatro vezes.

 

O número corresponde aos atendimentos feitos em todas as agências de Mato Grosso do Sul, de acordo com a assessoria de comunicação. Puderam aderir à divisão da conta moradores que tiveram aumento expressivo na conta de energia neste início de ano.

Na ocasião em que anunciou a medida, em meados de janeiro, a concessionária afirmou que o parcelamento iria atender casas que tiveram um nível de aumento acima da média, por exemplo, 100% a mais do que veio nos meses anteriores. A empresa, no entanto, não respondeu sobre quais valores foram divididos.

Os altos valores de conta motivaram inúmeras reclamações no Estado. Só em Dourados, segunda maior cidade de MS, o Procon recebeu 814 queixas.

Em Campo Grande, a Câmara Municipal e Assembleia Legislativa já afirmaram que vão discutir a situação, seja por audiência ou reuniões com a empresa de energia elétrica. A Casa de Leis do município não descarta a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar o motivo de tanto aumento.

O consumidor ainda pode tentar aderir ao parcelamento. Primeiro, ele tem de procurar uma agência da Energisa com a conta objeto do pedido para ver se encaixa na medida.

Por outro lado, o posicionamento da Energisa é de que a elevação neste período do ano é resultado do aumento de consumo, provocado pela alta temperatura registrada e também pelo período de férias escolares.

Em audiência na Câmara, em 25 de janeiro, o coordenador comercial da Energisa, Jonas Ortiz Rudis disse que, entre dezembro e janeiro, a empresa identificou 23 picos no consumo de energia no estado – 13 em dezembro e até agora, 10 em janeiro.

Disse, ainda, que os picos, horários em que são registrados “alto consumo”, são relativos ao mês de dezembro, o mais quente desde 2006 e ao mês de janeiro por ter registrado calor recorde em 100 anos.

Campo Grande News

Vídeos

  • Informativo Câmara
  • Acompanhamento de safra do milho com João Firmino, Presidente do Sindicato Rural
  • Presidente do Sindicato Rural fala sobre atraso da Colheita devido a chuva

Agenda

Publicidade